sexta-feira, 21 de maio de 2010

Na noite passada passada pensei em te ligar mas morri de medo de você não estar lá. Pensamentos de pura insanidade imaginando você nos braços de qualquer biscate dormindo animado num prostíbulo barato na sua Augusta em São Paulo.
Senti um ódio imenso mesmo sendo pensamento foi ai que eu não liguei mesmo. Mas eu errei, burra, desajeitada, descuidada e desconfiada eu não sabia o que dizer quando atendi a mãe dele com a voz afobada segurando para não gritar só sabia repetir uma frase "Sua culpa, ele vai se matar".
Desesperada e sem rumo procurei um lugar para que pudesse pensar onde ele estaria, se ele iria mesmo se matar por mim. Quando um vulto repentino um loiro alto, contente e sorrindo vindo em minha direção, era ele quem eu estava desesperada procurando, quem eu sábia que iria perder ali. Sorrindo subiu na grade estávamos na maior ponte da cidade, acima de um rio. Antes me entregou um bilhete e em segundos sem que eu percebesse ele caiu. Não me desesperei mais, li o bilhete que apenas dizia: "Feche os olhos e eu estarei lá". Segui o comando e fechei meus olhos só que antes que eu pudesse senti-lo eles já estavam abertos de novo.
Eu havia acordado e já era dia, procurei aflita ele ao meu lado e ele não tinha partido estava ali o meu amor. Percebi um ato imediato porque aquele momento aflito e estranho não passou de um sonho. Desespero aquele que eu senti do nada eu vi sumir, ele estava me abraçando.

6 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Menina, tá legal da parte gramatical, salvo alguns errinhos bobos que não atrapalham. Mas quanto ao aspecto literario ta verde ainda. Em outras palavras, vc tm bom dominio da lingua, mas tm q aprimorar a narrativa.
    Parabens, Leticia!!!

    ^^

    ResponderExcluir
  3. boa a idéia Letícia, só achei que podia ser mais explorada ^^
    otimo post ;)

    ResponderExcluir
  4. Nossa, que aflição XD Gostei.

    ResponderExcluir

Pode ler, pensar. Mas vamos comentar.