segunda-feira, 21 de março de 2011

Me fala algo que eu não saiba

Eu sempre fiz cara de brava para conseguir o que eu queria, sempre fiz a linha carente só para ter toda a atenção do mundo.
Eu demorei para perceber que eu não precisava de mais nada a não ser demonstrar o que eu realmente queria. Sem caras, sem finjimentos e apenas pedindo com honestidade.
Procuro nas pessoas coisas totalmente opostas a mim, procuro pessoas ''sujas", desoladas e desconsoladas só para poder mostrar a elas como elas podem mudar. Sempre me apaixono pelas pessoas que jamais vão me amar um dia, eu simplismente quero um dia poder dizer a elas "eu fui a pessoa que mais te amou um dia".
Sofrer, eu perdi a noção do que é isso, estou tão calejada que o meu coração nem sente mais quando é pisoteado, parece que ele se acostumou a ser assim, se acomodou em não bater forte e ser correspondido.
Vou me perder, vou correr e sumir para longe. Um lugar aonde o meu sorriso valha todos os favores do mundo, onde eu nunca mais implore a sua atenção.
Ainda amo porque acredito no amor, não nas pessoas. O sentimento ainda existe sim, as pessoas que passaram a sumir, dando lugar a robos de carne e osso, sem alma e sem piedade. Tratam os sentimentos como se pudessem controla-los.

"Ainda não descobri o motivo do meu sorriso ser tão intenso no meio de tanta tristeza, só que eu continuo sorrindo..sorrindo, não consigo parar de ser feliz. O meu mundo não para por mais ninguém, se você não me acompanha desculpe-me, está é uma viagem sem volta".

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pode ler, pensar. Mas vamos comentar.